Vereador repudia pichação racista e homofóbica na Ufba

Sílvio Humberto - Foto_Valdemiro Lopes

Sílvio Humberto alerta para retrocesso e violência espalhada pelo país

A divulgação, esta semana, de uma pichação em um dos banheiros do prédio da Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia (EAUfba), no Vale do Canela, com afirmações racistas e ameaças contra homossexuais, negros e pobres, despertou a indignação do presidente da Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Salvador, vereador Sílvio Humberto (PSB). O parlamentar repudiou a atitude e, com base na vinculação da pichação a um dos candidatos da disputa presidencial, lamentou o caminho tomado por parte do eleitorado brasileiro.

“O Brasil passa, de fato, por um momento mais do que temeroso. Tudo começa com o mal-estar provocado pela mesquinharia das nossas elites econômicas, que não souberam conviver com a pequena ascensão social de parte da população”, destaca Sílvio. Para o legislador, o golpe aplicado na Democracia brasileira e a sucessão de ataques aos direitos dos trabalhadores e cidadãos, fazem parte da construção deste cenário, “que está descambando para esta situação de retrocesso e de violência espalhada pelo país”, pontua.

Foto_Reprodução_WhatsAppA Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior no Brasil (Andifes) publicou uma Nota de Repúdio, condenando o ato e repelindo a “cultura do ódio e da violência, que ora ameaça a sociedade e as universidades públicas, por meio de constrangimentos, ameaças e agressões”. A publicação foi endossada pela Direção da EAUfba e também pela Reitoria da Universidade. A nota destaca que, nenhum cidadão com responsabilidade pública tem o direito de “lavar as mãos e alegar neutralidade diante dessas ações, nem dos discursos eivados de violência que as suscitam”.

Sílvio Humberto chamou a atenção para a gravidade do momento que o Brasil atravessa, relembrando as notícias sobre casos de violência por todo o País. “São inúmeros casos que têm sido noticiados, com relatos de violência por toda parte. Aqui na Bahia, tivemos a mostra da brutalidade deste discurso de ódio, com o assassinato covarde do Mestre Moa do Katendê, um símbolo da cultura e da resistência negra”, lamentou o edil.

Ativista social é vítima de crime de racismo, em Abrantes

Sílvio Humberto - Marcos Anunciação

Vereador Sílvio Humberto manifestou indignação e prestou solidariedade à vítima

Mais uma manifestação explícita de racismo vitimou o ativista social Marcos Anunciação, atual presidente da Associação Cultural e Inclusão Social de Abrantes (Acis). O crime ocorreu no último sábado (22/09), durante a realização de uma manifestação cultural, em Abrantes, distrito de Camaçari. A ocorrência foi registrada pela vítima, na 26ª Delegacia de Polícia, em Abrantes, como crime de racismo.

Marcos relatou que estava trabalhando na organização do evento, quando foi abordado e agredido verbalmente por um homem, conhecido na região pelo apelido de “Defendente”. Segundo a vítima, o homem o ofendeu, sem que tivesse dado nenhum motivo, com palavras e xingamentos com denotações racistas. “Continuamos com a nossa atividade, porque entendemos que não deveríamos parar, nem reagir. Mas, depois, por orientação do advogado da nossa Associação, decidimos registrar a queixa”, explicou o agredido.

Segundo ele, a motivação para procurar a delegacia foi a busca por Justiça e a necessidade de reafirmar a luta da população negra contra o racismo e a discriminação racial. “Não podemos simplesmente nos calar diante de casos como este. Precisamos fazer valer o que está escrito na Lei. “A prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão”, conforme trecho do artigo 5º da Constituição Federal.

Indignação – O vereador Sílvio Humberto (PSB), uma das principais lideranças baianas na luta contra o racismo, foi procurado pela vítima e manifestou a sua indignação com o ocorrido. “Simplesmente, não há um momento de descanso para nós. O racismo, definitivamente, não tira férias. Seja no trabalho, no cotidiano, ou até mesmo nas nossas celebrações, somos atacados pela perversidade do racismo”, bradou o parlamentar. Sílvio também colocou a estrutura do seu mandato à disposição do agredido. “Essa é a nossa luta. Somos procurados diariamente e enfrentamos casos como este a todo momento”, lamentou.

A manifestação cultural coordenada por Marcos, denominada “Seresta da Fonte”, é uma espécie de ensaio para a festa da Lavagem da Fonte das Lavadeiras, realizada todos os anos pela Associação Cultural e Inclusão Social de Abrantes, sempre no mês de dezembro, em parceria com a Paróquia do Divino Espírito Santo.

Comissão de Cultura promove debate sobre Diagnóstico Cultural de Salvador

Comissão de Cultura - Divulgação (2)

O Plano Municipal de Cultura de Salvador está em fase de construção e a próxima etapa será uma audiência pública, realizada pela Comissão de Cultura da Câmara Municipal de Salvador, em parceria com a Fundação Gregório de Mattos (FGM), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult) e responsável pela formulação e execução das políticas culturais do Município.

A audiência será realizada na próxima quinta-feira (20/09), às 14h, no auditório do Centro de Cultura da Câmara Municipal. O objetivo do encontro é dar conhecimento aos vereadores e à sociedade sobre o andamento dos trabalhos da Comissão de Articulação para Elaboração do Plano e sobre o Diagnóstico do Desenvolvimento Cultural de Salvador. Além disso, pretende colher informações adicionais para a conclusão do documento.

A FGM está trabalhando para cumprir todas as etapas para a conclusão do Plano ainda este ano e pretende submetê-lo à aprovação da Câmara no primeiro semestre de 2019. O Diagnóstico Cultural da cidade foi realizado pela Cria Rumo Consultoria, empresa vencedora do certame aberto pela Prefeitura para contratação do serviço. O documento foi produzido utilizando a metodologia participativa, por meio de entrevistas com acadêmicos e agentes culturais, e da realização de oficinas, contemplando os 10 Territórios Culturais da cidade.

O presidente da Comissão de Cultura da Câmara, vereador Sílvio Humberto (PSB), elogiou o processo de construção coletiva do Plano e destacou a importância desta audiência, como um fórum privilegiado para análise do Diagnóstico e validação do documento. “Estamos convocando atores culturais de toda a cidade, produtores e também acadêmicos para contribuir com o debate. A nossa expectativa é de termos um momento consistente de escuta e de coleta de novas contribuições”, pontuou.

 

SERVIÇO

O que: Audiência Pública para discutir o Plano Municipal de Cultura de Salvador;

Quando: Quinta-feira (20/09), às 14h;

Onde: Auditório do Centro de Cultura da Câmara Municipal de Salvador – Praça Thomé de Souza, s/n, Centro.

Diagnóstico: http://www.culturafgm.salvador.ba.gov.br/index.php/noticias/994-diagnostico-do-desenvolvimento-cultural-de-salvador

12 anos da Lei Maria da Penha

Hoje, 07 de agosto de 2018, celebramos 12 anos de lutas e conquistas da Lei Maria da Penha.   Lei que tem como papel proteger as mulheres contra à violência doméstica e familiar, envolvendo os seus diversos modos.

O agressor, não é necessariamente o marido ou companheira. Mesmo com a atuação da Lei Maria da Penha, as mulheres negras continuam sendo assassinadas sem a proteção do estado, uma vez que as delegacias especializadas ainda possuem um processo de atuação fragilizado e com lacunas. Mesmo premiada internacionalmente e tendo o feminicídio como  uma inovação jurídica, essas conquistas legais ainda não  garante a proteção das  mulheres e em  especial das mulheres negras.

O combate a violência feminina não deve ser somente pelos  órgãos públicos, mas –  acima de tudo – por cada um de nós.

 Combate a violência contra a mulher, do mesmo modo que o racismo não é unicamente uma mudança de pensamento. Esse combate envolve  também posturas, ações, costumes e falas.

Hoje, não é dia de somente comemorar, mas de conscientizar e combater a violência contra a mulher. Se queremos mesmo mudar essa realidade, é preciso encarar que a desigualdade de gênero se apresenta como um obstáculo a ser ultrapassado junto aos do racismo.

Manifestação dos professores termina em conflito

Na manhã desta terça-feira (07), aconteceu a manifestação de professores da rede municipal de Salvador, em frente a Secretaria Municipal de Educação (SMED), localizada na Avenida Anita Garibaldi, onde a guarda municipal foi acionada.

A guarda municipal entrou em confronto com os professores, utilizando-se de bombas de efeito moral contra os manifestantes. “A atuação sem identificação demonstra a necessidade de se reavaliar os procedimentos de cuidado e atenção para com esses”, defende o vereador Sílvio Humberto, também professor e um dos fundadores do Instituto Cultural Steve Biko.

Sílvio afirma que a Educação é o princípio de tudo. Se um gestor entende que esse modelo de inflexibilidade é a forma adequada de tratar trabalhadoras e trabalhadores, temos então um grave problema de incompreensão e insensibilidade acerca da importância da Educação, e também do respeito às servidoras e servidores. A greve municipal dos professores é um claro sinal de falta de diálogo. A truculência da Guarda Municipal do prefeito de Salvador, é apenas reflexo da postura do gestor.

O edil, que já presidiu a Comissão de Educação da Câmara Municipal, também se posicionou ao uso da truculência contra professores, formadores da sociedade. “Prefeito, as armas são outras. Se chamam sensibilidade e eu me importo”.

Sobre a greve

Os docentes pedem reajuste salarial de 6,8%. Em contrapartida, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) ofereceu apenas 2,5%. A categoria também clama por 10% de aumento no auxílio alimentação e eleição do diretor escolar, ao invés indicação da secretaria. Vale ressaltar que os servidores públicos da Educação estão há 3 anos sem reajuste salarial. A greve chega a 28 dias sem que esse impasse seja resolvido.

Sessão especial homenageia Unegro

Antonio Queirós

Créditos: Antônio Queiros

Os 30 anos da União dos Negros Pela Igualdade (Unegro) serão comemorados com sessão especial na Câmara Municipal de Salvador no próximo dia 8, às 19h, no Plenário Cosme de Farias. A iniciativa é do vereador Sílvio Humberto (PSB), que ressalta a importância do trabalho da união, fundada em 14 de julho de 1988.

“Trata-se de um reconhecimento à trajetória exitosa de uma organização que, ao longo de três décadas, vem lutando pelo enfrentamento ao racismo e ao sexismo”, afirmou o vereador. Segundo o parlamentar, é uma honra homenagear uma entidade que luta pela construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Ele reforça a importância da Unegro na “batalha pela construção coletiva de uma sociedade mais justa”.

Presidente da entidade, Ângela Guimarães afirma que, no marco dos seus 30 anos, a Unegro continua atuante no combate ao racismo e ao machismo, “lutando por uma sociedade com justiça social, equidade e livre da exploração de classes”.

Fonte: Site da Câmara Municipal de Salvador