Professores celebram passagem dos 25 anos do I Senun 

Foto_Átila Oliveira

Organizadores do Seminário se reúnem para rememorar as mudanças conquistadas na universidade

Em tempos de patrulhamento da atividade dos professores e de debates sobre projetos como o ‘Escola sem Partido’, a Câmara Municipal de Salvador foi palco, na noite desta quinta-feira (22/11), de uma mesa completamente formada por professores militantes. Os acadêmicos estavam juntos, na Sessão Especial promovida pelo vereador Sílvio Humberto (PSB), para comemorar a passagem dos 25 anos da realização do I Seminário Nacional de Universitários Negros e Negras (Senun).

Após a exibição de um vídeo, com imagens do Seminário, realizado por jovens estudantes negros, no ano de 1993, na Universidade Federal da Bahia, o autor da homenagem, que também é professor, falou sobre a motivação do ato. “Foi uma enorme ousadia, problematizar a questão da inserção dos negros e negras no ensino superior, naquele momento onde a nossa presença era ainda muito pequena. A passagem desses 25 anos não poderia deixar de ser destacada”, justificou o parlamentar.

Para Sílvio, “a realização do Seminário foi uma prova inequívoca da capacidade de resistência do povo negro”. O legislador reforçou a afirmativa que tem defendido de que, “se há alguém que acha difícil o atual cenário, esquece de olhar o quanto mais difícil foi nessa época”. O professor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Antônio Cosme Lima da Silva, reforçou as palavras de Sílvio, afirmando que a organização do Senun foi composta de jovens que não se conformavam com o modelo de universidade vigente na época.

Insurgência – “Éramos estes negros insurgentes”, declarou a socióloga e também professora da Uneb, Ana Cláudia Pacheco. Ela defendeu como um dos principais objetivos do Seminário: a politização dos jovens negros que ingressavam na universidade. “Para nós, não bastava o acesso. Era preciso qualificar a passagem destes estudantes, para que eles compreendessem a conjuntura na qual estavam inseridos e qual o papel deles na transformação do ensino superior”, pontuou Ana Cláudia.

Para o professor Ronaldo Barros, atual diretor do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), órgão da Secretária de Cultura do Estado, “o Senun mudou a história da universidade brasileira, do movimento estudantil e do movimento negro”. Segundo ele, uma das lições extraídas foi a de que não bastava estudar e conseguir um emprego. “Tínhamos uma missão diuturna: descolonizar o ensino superior e transformar a universidade”, destacou Ronaldo.

Coube ao sociólogo Valdo Queiroz, a leitura de mensagens enviadas por organizadores do Senun, que não puderam estar presentes no ato. Valdo Lumumba, como é conhecido na militância social, finalizou, recitando versos da canção ‘14 de Maio’, de Jorge Portugal e Lazzo Matumbi. O tom artístico foi mantido, com performances da jovem bailarina, Ingrid Luz, e da cantora Matilde Charles, que encerrou o evento e brindou os presentes com a sua bela voz, entoando o Samba Enredo 2018, da Escola de Samba Paraíso do Tuiuti, ‘Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?’.

 

 

 

 

Sílvio Humberto homenageia 25 anos da realização do I Senun

Sílvio Humberto: “Seminário é prova inequívoca da capacidade de resistência do povo negro”

A passagem dos 25 anos da realização do I Seminário Nacional de Universitários Negros e Negras (Senun), será homenageada, na próxima quinta-feira (22/11), na Câmara Municipal de Salvador. A autoria do tributo é do presidente da Comissão de Cultura da Casa Legislativa, vereador Sílvio Humberto (PSB). O evento acontecerá no Plenário Cosme de Farias, às 19h, e contará com presenças de militantes históricos da luta contra a desigualdade através da Educação.

O objetivo da Sessão, segundo o vereador, “é o de comemorar e homenagear os realizadores do Senun, pela ousadia de problematizar a questão da inserção dos negros e negras no ensino superior, num momento onde a presença negra na Universidade era ainda muito escassa”. A homenagem seria, conforme o parlamentar, que tem um largo histórico de militância na luta pela igualdade, “um reconhecimento das conquistas e da capacidade de fazer muito com pouco”.

Sílvio defende a mobilização que resultou na realização do Senun como “prova inequívoca da capacidade de resistência e de ação coletiva do povo negro”. Para o parlamentar, a militância dos idealizadores do Seminário “foi um passo importante na construção de espaços acadêmicos mais democráticos”. Parafraseando Luiza Barros, o vereador reafirmou a inexistência de saídas individuais na luta contra o racismo. “Só existem saídas coletivas para esta chaga social e o Senun foi uma mostra disto”, concluiu.

Presentes

 Estarão reunid@s junt@s ao vereador nesta comemoração e compondo a mesa, grandes representações acadêmicas da Universidade de Campinas (UNICAMP), do Centro de Culturas Populares e Identitárias – Secult/BA, do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Reconcavo da Bahia (UFRB), dentre outros.

SERVIÇO:

O que: Sessão Especial em homenagem aos 25 anos da realização do I Seminário Nacional de Universitários Negros e Negras (Senun);

Quando: Quinta-feira (22/11), às 19h;

Onde: Plenário Cosme de Farias – Câmara Municipal de Salvador – Praça Municipal, s/n – Centro – Salvador/BA;

Marcha da Consciência Negra será homenageada na Câmara Municipal

Sessão Especial 20 de Novembro - Divulgação

Comissão da Reparação é autora do tributo aos 39 anos de realização do ato

Para marcar a passagem do Dia Nacional da Consciência Negra, a Comissão da Reparação, da Câmara Municipal de Salvador, realizará, na próxima terça-feira (20/11), uma Sessão Especial em homenagem à Marcha da Consciência Negra Zumbi dos Palmares. A solenidade, que tem como tema ‘Movimento Negro em Marcha: um resgate histórico das caminhadas’, acontecerá no Plenário Cosme de Farias, espaço principal da Casa Legislativa, a partir das 09h.

A atividade foi idealizada pelos vereadores Moisés Rocha (PT), presidente da Comissão, e Sílvio Humberto (PSB). Segundo eles, o objetivo é reverenciar a contribuição das marchas do 20 de Novembro, nas áreas social, política e cultural. Os parlamentares defenderam a importância da mobilização, que acontece, em Salvador, há 39 anos, para o enfrentamento do racismo e da desigualdade, e ressaltaram, também, a resistência dos organizadores e do povo negro que caminha junto todos os anos.

A Sessão Especial vai contar com a presença de representantes da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), responsáveis pela realização da Marcha, além de lideranças da militância social, de acadêmicos, políticos e estudantes. Será, segundo os proponentes, um momento de reflexão sobre os avanços e retrocessos na luta pela igualdade, mas também de celebração pelas conquistas da população negra.

A data

O Dia Nacional da Consciência Negra homenageia e valoriza a luta do povo afro-brasileiro por liberdade e igualdade. A escolha do 20 de novembro, faz alusão ao dia da morte do grande líder da resistência negra e da luta pela liberdade, Zumbi dos Palmares, em 1695. A data foi estabelecida pelo Projeto de Lei nº 10.639/2003. Um dia dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira, sobre a influência do povo africano na formação cultural do País e sobre a luta por igualdade.

SERVIÇO

O que: Sessão Especial em homenagem à Marcha da Consciência Negra Zumbi dos Palmares;

Quando: Terça-feira (20/11), às 09h;

Onde: Plenário Cosme de Farias – Câmara Municipal de Salvador – Praça Municipal, s/n – Centro – Salvador/BA;

Realização: Comissão da Reparação, da Câmara Municipal de Salvador.

Sílvio Humberto realiza Plenária de Avaliação do Mandato

Foto_Assessoria1

Na tarde do último sábado (10/11), o vereador Sílvio Humberto (PSB) realizou uma Plenária de Avaliação da atuação do seu mandato, no ano de 2018. A atividade, que ocorreu na sede do Partido Socialista Brasileiro (PSB), debateu, ainda, a atual conjuntura política no município e os cenários estadual e nacional. O parlamentar aproveitou a oportunidade para agradecer aos parceiros e apoiadores da sua campanha para deputado federal, na última eleição, quando obteve 25.486 votos.

Sílvio Humberto relembrou as muitas dificuldades enfrentadas ao longo do ano, e também durante o período eleitoral, e prestou contas às lideranças e colaboradores sobre os projetos apresentados na Câmara, sobre os posicionamentos, votações e ações de fiscalização das medidas do Executivo. Falou também sobre o crescimento do projeto político por ele liderado e sobre o aumento da responsabilidade, seja na Câmara, como vereador, seja na sua atuação em defesa da “igualdade para valer”.

“O nosso aquilombamento não para. E agora temos mais uma tarefa ainda maior. Mesmo diante das adversidades que estão postas, eu vejo possibilidades e desafios grandiosos para aqueles que se importam com gente e que não vão desistir”, destacou Sílvio. O parlamentar convocou os presentes a acreditarem no poder de ousar. “Se os nossos, lá atrás, não fossem ousados e ousadas, não estaríamos aqui. Eles desafiaram um cenário muito mais desfavorável e venceram. Precisamos continuar”, bradou.

A plenária lotou o auditório do PSB, com a participação expressiva de lideranças e mobilizadores sociais que fizeram parte da campanha, além de representações dos movimentos sociais e comunitários de Salvador e Região Metropolitana.

Assédio a professores é repudiado por parlamentar

Foto_Assessoria

Sílvio Humberto reclama mais respeito, dignidade e direitos para os profissionais

Os relatos de assédio e constrangimentos praticados contra professores, após o resultado das eleições para presidente, veiculados pela imprensa em diversas partes do País, foram repudiados pelo vereador Sílvio Humberto (PSB). O parlamentar, que também é professor universitário, lamentou as ocorrências e destacou a gravidade do fato de algumas das ameaças e tentativas de coerção terem sido manifestadas por políticos eleitos pela população.

O legislador recorreu à Constituição Federal e à Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei nº 9.394/96), para defender o direito à livre docência e à liberdade de expressão. Sílvio condenou a atitude de representantes eleitos democraticamente, que tentam, segundo ele, “solapar princípios elementares da Democracia e desfigurar o Estado Democrático de Direito”. O edil aponta que as manifestações de políticos e apoiadores do presidente eleito, “vão na contramão de todas as exigências para o desenvolvimento de uma prática educacional libertária”.

Para o vereador, a Educação carece de mais investimentos e de mais cuidado, “para garantir o aumento contínuo da sua qualidade, o desenvolvimento dos estudantes, e, por conseguinte, o crescimento da nação”. O parlamentar defende os profissionais da área como os principais pilares do processo educacional. “O que as professoras e professores necessitam é de melhores condições de trabalho, de mais respeito, mais dignidade e da garantia dos seus direitos”, pontuou Sílvio.

O legislador colocou o seu mandato à disposição dos educadores para, juntos, lutarem pelo direito ao livre exercício docente. Sílvio relembrou decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF), que referendou, na sessão do último dia 31 de outubro, liminar concedida pela ministra Cármen Lúcia, assegurando a livre manifestação do pensamento e das ideias nas instituições de ensino.

Projeto de Lei que regulamenta aplicativos de transporte é debatido com taxistas

Divulgação - Ascom

O vereador Sílvio Humberto (PSB) foi procurado em seu gabinete, na manhã desta quarta-feira (31/10), por um grupo de taxistas da cidade de Salvador. Os trabalhadores estão abordando os vereadores da capital, em busca de apoio para a aprovação, sem emendas, do Projeto de Lei nº 258/18, de autoria do Executivo Municipal, que tem por objetivo regulamentar o serviço de transporte de passageiros por aplicativos (Uber, 99Pop entre outros). A categoria reivindicou o posicionamento do parlamentar sobre o PL.

Em virtude da quantidade de trabalhadores reunidos na mobilização, o legislador promoveu uma audiência com os taxistas, no auditório do Edifício Bahia Center, Anexo da Câmara Municipal. Durante o debate, as reivindicações da categoria foram expostas e o edil se comprometeu a levar para a discussão do Projeto, os pleitos apresentados. Sílvio defendeu a necessidade de que os impactos da tecnologia na vida dos cidadãos sejam considerados, a fim de contribuir na isonomia de tratamento entre os motoristas de aplicativos e os taxistas.

“Nossa posição é que o tema seja debatido exaustivamente, tanto com os representantes das duas categorias, como também com a população. Isso, em nome dos interesses dos soteropolitanos e da melhoria da cidade. Esta é uma discussão que impacta sobremaneira na vida dos trabalhadores, mas também dos usuários. O debate precisa ser ampliado”, pontuou o vereador.

Deliberações – O parlamentar fez contato com o presidente da Comissão de Transporte, Trânsito e Serviços Municipais da Câmara, o vereador Hélio Ferreira (PCdoB), sugerindo a realização de um ciclo de audiências públicas, com as participações da vice-líder da Comissão de Constituição e Justiça da Casa e relatora do Projeto de Lei, a vereadora Lorena Brandão (PSC), e dos demais legisladores. Sílvio defendeu, ainda, a convocação do secretário de Mobilidade Urbana, Fábio Mota, e dos trabalhadores das categorias envolvidas na discussão.

O PL 258/18 está tramitando nas comissões e tem data marcada para a apreciação no Plenário da Câmara para o próximo dia 12 de novembro. O vereador aplaudiu a mobilização dos trabalhadores e os orientou a buscar o diálogo com as comissões responsáveis pela apreciação do Projeto de Lei: Constituição e Justiça; Finanças, Orçamento e Fiscalização; e a Comissão de Transporte. “Precisamos todos nos mobilizar e debater democraticamente a defesa dos nossos direitos. Assim se faz a Democracia, com defesas das nossas posições e respeito ao contraditório. Ao final, o que se busca, é que todos possam ser contemplados: os trabalhadores e a população”, defendeu o edil.