“O prefeito vai acabar eletrocutando os cidadãos”, diz Sílvio Humberto

Foto - Valdemiro Lopes

Com votação artigo por artigo e votos favoráveis dos vereadores da oposição apenas para os itens 1, 3 e 8, a Câmara Municipal de Salvador aprovou, nesta quarta-feira (27/09), o Projeto de Lei nº 439/17, de autoria do Poder Executivo, que altera o Código Tributário e de Rendas do Município e reajusta o IPTU para 2018. Os parlamentares da oposição ocuparam a tribuna para criticar as falhas apontadas no PL e para reclamar da falta de discussão e de fundamentação do projeto.

O vereador Sílvio Humberto (PSB) reiterou as críticas que tem feito desde a apresentação do PL, na última segunda-feira (25/09), no Salão Nobre da Câmara de Salvador, pelo subsecretário da Fazenda, Walter Cairo. Segundo o legislador, “Salvador é uma cidade que precisa elevar as suas receitas, mas não pode fazer isso apenas dando choques no contribuinte. Desse modo, o prefeito vai acabar eletrocutando os cidadãos dessa cidade”, reclamou Sílvio.

Para ele, o projeto tem aspectos positivos, mas é passível de críticas em diversos pontos. “Começa pela ausência de uma memória de cálculos, que permita aos vereadores compreender quais os critérios utilizados para a mudança das alíquotas. O voto é quase uma profissão de fé, já que não sabemos a metodologia empregada”, pontuou o vereador, que apontou, dentre outras injustiças, a limitação a três salários mínimos para a isenção do ITIV. “Isso deixa de fora duas faixas do ‘Programa Minha Casa, Minha Vida’ e promove uma enorme injustiça fiscal e social”, criticou o parlamentar.

Os artigos que tratam do reajuste do IPTU também foram criticados. Segundo o legislador, a própria Secretaria da Fazenda do Município já admitiu que os imóveis de custo mais elevado têm uma diferença menor entre os valores venal e de mercado, critério utilizado para o estabelecimento da alíquota. “Essa disparidade leva aqueles que têm menos a pagarem impostos proporcionalmente mais elevados do que aqueles que têm mais recursos”, esclareceu o vereador.

 

Câmara discute combate aos vírus HTLV-1 e HTLV-2

Cerca de 50 mil pessoas estão infectadas em Salvador

Através de uma iniciativa conjunta dos vereadores Sílvio Humberto (PSB) e Aladilce Souza (PCdoB), a Câmara Municipal de Salvador realizou nesta terça-feira (26), às 9h, no Plenário Cosme de Farias, uma sessão especial alusiva ao Dia Municipal de Prevenção e Combate aos vírus HTLV-1 e HTLV-2 (Vírus Linfotrópico de Células T Humanas).

Sess_-_Comb_ao_HTLV-1_e_HTLV-2_-_Silvio_e_Aladilce_2017926134224659414

Foto: Reginaldo Ipê

De acordo com o parlamentar, “a intenção nossa ao criar o Projeto de Lei que cria o Dia Municipal de Combate ao HTLV-1 e HTLV-2 foi dar visibilidade a este problema. Há um ‘grito’ da ONG HTLVida neste sentido. Portanto, a Casa cumpre o seu papel ao escutar esta demanda da sociedade civil”. O vereador argumenta que “agora o desafio é garantir políticas públicas por parte da Prefeitura e do Governo do Estado”.
Já a vereadora Aladilce Souza salientou que o “HTLV-1 é um vírus que foi detectado antes mesmo da AIDS (HIV). Entretanto, não houve até o momento a mesma atenção para o tratamento do HTLV-1. E as dificuldades para as pessoas que estão doentes decorrentes do HTLV-1 são enormes. Há diversos problemas, inclusive, de mobilidade”.
Também presente à sessão especial, Adijeane Oliveira de Jesus, presidente da Associação HTLVida, ressaltou que “a importância dessa sessão é o avanço que estamos dando em questões relacionadas às políticas públicas. Afinal, com a instituição do Dia Municipal de Combate aos Vírus HTLV-1 e HTLV-2, as ações de prevenção entram no calendário das ações de saúde”.
Ela lamentou que “os profissionais das redes municipal e estadual não estão capacitados para atender os portadores de HTLV-1 e HTLV-2. E necessitamos de atendimento multidisciplinar, abrangendo as áreas de Neurologia, Dermatologia, Urologia, Ginecologia e, principalmente, Fisioterapia especializada”.

Transmissão

Maria Fernanda Rios Grassi, pesquisadora da Fundação Osvaldo Cruz e especialista nos vírus citados, afirmou que em Salvador “temos cerca de 50 mil pessoas infectadas com o HTLV-1. Como a transmissão ocorre no ato sexual e através da amamentação, é um vírus que atinge diversas gerações da mesma família. São necessárias, portanto, políticas públicas para quebrar essa cadeia”.   
O HTLV-1 e HTLV-2 são retrovírus da mesma família do HIV, e infectam a célula T humana, um tipo de linfócito importante para o sistema de defesa do organismo.
Apesar de bastante assemelhados, o HTLV-1 e o HTLV-2 comportam-se de modos bastante diferentes no organismo: o HTLV-1 pode causar (embora nem sempre) doenças, já o HTLV-2 quase nunca causa qualquer dano ao organismo infectado.
Portanto, a grande preocupação dos especialistas é relacionada aos danos causados ao organismo humano através do HTLV-1.
A sessão especial foi abrilhantada com uma apresentação do Coral da Câmara, regido pelo maestro Carlos Veiga Filho. 

 

 

Câmara Municipal de Salvador

“Os baianos precisam tomar conhecimento desse mal”, alerta presidente do HTLVida

Foto Assessoria do vereadorA presidente do Grupo de Apoio aos Portadores do Vírus HTLV do Estado da Bahia (HTLVida), Adijeane Oliveira, ocupou a Tribuna Popular da Câmara Municipal de Salvador, na sessão ordinária desta segunda-feira (25/09), para reclamar da invisibilidade social da doença e convidar a sociedade soteropolitana a participar da Sessão Especial alusiva ao Dia Municipal de Prevenção e Combate aos vírus HTLV-1 e HTLV-2 (Vírus Linfotrópico de Células T Humanas).

O evento será realizado nesta terça-feira (26/09), às 09h, no Plenário Cosme de Farias, da Câmara de Vereadores, através de uma iniciativa dos vereadores Sílvio Humberto (PSB) e Aladilce Souza (PCdoB). Adijeane, que também é portadora da doença, não reclamou apenas da falta de informação sobre os vírus. Segundo ela, falta assistência, atendimento médico qualificado e medicações para os pacientes. “Tudo o que está sendo feito ainda é pouco. São 160 mil pessoas infectadas no estado e mais de 60 mil somente em Salvador. Os baianos precisam tomar conhecimento desse mal”, alertou a presidente do HTLVida, com a voz embargada e sem conter as lágrimas.

SH - Adijeane - Foto Valdemiro LopesO vereador Sílvio Humberto (PSB), autor da Lei que instituiu o Dia Municipal de Prevenção e Combate aos vírus, se solidarizou com Adijeane e destacou a importância da mobilização social para a efetivação dos direitos. “Sem a organização dessa entidade, essas pessoas continuariam invisíveis. O nosso esforço é o de ser ponte para as demandas sociais, em nome de uma sociedade mais justa”, declarou o parlamentar. Sílvio conclamou o poder público, nas suas três esferas, a “assumir a sua responsabilidade com esse conjunto de cidadãos”.

Doença – O HTLV-1 e HTLV-2 são retrovírus da mesma família do HIV, e infectam a célula T humana, um tipo de linfócito importante para o sistema de defesa do organismo. Apenas 5% das pessoas infectadas desenvolvem problemas de saúde relacionados com os vírus, sendo que nesses casos, instalam-se quadros neurológicos degenerativos graves e de leucemias e linfomas. A doença é prevalente na população negra.

 

Câmara promove sessão para discutir vírus HTLV-1 e HTLV-2

Sílvio - Aladilce

Objetivo é combater a invisibilidade social da doença, prevalente na população negra

Através de uma iniciativa conjunta dos vereadores Sílvio Humberto (PSB) e Aladilce Souza (PCdoB), a Câmara Municipal de Salvador realizará, na próxima terça-feira (26/09), às 09h, uma sessão especial alusiva ao Dia Municipal de Prevenção e Combate aos vírus HTLV-1 e HTLV-2 (Vírus Linfotrópico de Células T Humanas). O evento, que conta com a parceria do Grupo de Apoio aos Portadores do Vírus HTLV do Estado da Bahia (HTLVida),  ocorrerá no Plenário Cosme de Farias.

O dia 28 de setembro foi oficializado através da Lei nº 9.221/2017, criada pelo vereador Sílvio Humberto. “A criação da data resulta da escuta da sociedade. Fomos procurados pelo HTLVida em busca de apoio para a luta que travam contra a invisibilidade social da doença”, explica Sílvio. Para a vereadora Aladilce, a mobilização das associações é fundamental para pressionar o poder público e exigir campanhas informativas, além de serviços acessíveis aos portadores do vírus. “O HTLV atinge mais de 60 mil indivíduos em Salvador, mas pouco se fala sobre ele. Por isso, é necessário dar visibilidade a essa questão, que envolve a saúde da população”, afirmou a parlamentar.

IMG-20170921-WA0017Debate – A mesa da sessão será formada por representantes das secretarias estadual e municipal de Saúde, por representações do Ministério Público Estadual, do Conselho Municipal de Saúde e da sociedade civil, além da pesquisadora da Fundação Osvaldo Cruz, Dra. Maria Fernanda Rios Grassi, especialista nos vírus HTLV-1 e 2.

O HTLV-1 e HTLV-2 são retrovírus da mesma família do HIV, e infectam a célula T humana, um tipo de linfócito importante para o sistema de defesa do organismo. Apenas 5% das pessoas infectadas desenvolvem problemas de saúde relacionados com os vírus, sendo que nesses casos, instalam-se quadros neurológicos degenerativos graves e de leucemias e linfomas. A doença é prevalente na população negra.

SERVIÇO

O que: Sessão Especial do Dia Municipal de Prevenção e Combate aos vírus HTLV-1 e HTLV-2;

Quando: Terça-feira (26/09), às 09h;

Onde: Plenário da Câmara Municipal de Salvador – Praça Municipal, s/n – Centro.

Contra a intolerância, mais respeito e dignidade humana

Os crescentes atos de intolerância religiosa sinalizam para a urgente necessidade de tomada de posição. Primeiro nossa, não podemos nos limitar a agir da porteira para dentro e, em seguida, da sociedade brasileira que defende a liberdade religiosa, de expressão e o ecumenismo. Enfim, está em questão a dignidade humana.

Sem título

O grave acontecimento recente ocorrido na cidade de Nova Iguaçu (RJ), onde bandidos obrigaram uma sacerdotisa a quebrar, por suas próprias mãos, seus objetos sagrados, deve ser visto como uma grave violação de direitos humanos, ou, até mesmo, quem sabe, um aviso, pela dor, da nossa ancestralidade, que ainda é possível fazer algo antes que cheguemos a uma guerra religiosa. Ninguém, por maior e mais velha que seja a sua casa, está a salvo dentro das suas porteiras. Vamos nos mobilizar para fora dos centros, casas de oração, igrejas. Saiam, juntem-se, organizem-se, esqueçam suas diferenças e fortaleçam-se!

O racismo religioso que defende uma única verdade e salvação, avança a passos largos. Estamos rumo ao passado, quando era necessário licença da Delegacia de Jogos e Costumes para as cerimônias religiosas do candomblé até o final dos anos 70. Voltaremos ao tempo que nos classificavam como seita?

A religião não mede caráter, o direito a proferir a fé, bem como o de não ter fé, deve ser respeitado por todos. Não estamos amarrados em nome de Jesus, somos livres para seguir o que acreditamos.

Portanto, fica o alerta: cuidado com o ódio que você semeia, pois, ensina-nos Yansã, dona dos ventos, raios e trovões, quem semeia vento, colhe tempestade!

Contra a intolerância, mais respeito e dignidade humana. Contra o ódio, mais amor entre nós. Aos racistas, prisão!

 

Sílvio Humberto é vereador de Salvador

Sílvio Humberto: “Futuro da cidade não pode ser decidido por arremessos de dardos”

SHA Câmara Municipal de Salvador aprovou, na sessão desta quarta-feira (13/09), o Projeto de Lei nº 440/17, do Executivo Municipal, que prevê incentivos para que empresas aéreas instalem centros de conexões (hubs), no Aeroporto de Salvador, tranformando-o em ponto de distribuição de voos nacionais e internacionais. O PL tem o objetivo de colocar Salvador na disputa com Fortaleza e Recife, pelo equipamento que a Gol Linhas Aéreas criará no Nordeste para operar voos internacionais, em parceria com a Air France-KLM.

O Governo do Estado, tendo em vista a elevação dos índices do turismo no estado, se associou ao Município na disputa e reduziu o ICMS sobre o querosene de aviação de 18% para 12%, visando influenciar na decisão da companhia aérea. O movimento foi acompanhado pela Vinci, empresa francesa vencedora da concessão do aeroporto, que acenou com a redução de taxas para a instalação do hub.

O vereador Sílvio Humberto (PSB) votou a favor do PL, segundo ele, pela inquestionável importância da efetivação de empreendimentos desse porte para a capital. Não deixou, no entanto, de criticar a falta de estudos que demonstrem os impactos orçamentários para o Município. “Se estamos concedendo 10 anos de incentivos, como saberemos os efeitos disso ao longo desse período?”, questionou o parlamentar, que defendeu a criação de mecanismos para a avaliação desses resultados.

Para o legislador, a Prefeitura parece não se preocupar com estas questões. “Sabemos todos da possibilidade da realização de estudos que nos mostrem minimamente essas consequências”, pontuou. “A nossa impressão é que o prefeito brinca de tiro ao alvo com os rumos da cidade. E o mais grave, é que não demonstra preocupação com o resultado dos seus tiros”, alfinetou Sílvio.