Vereador se posiciona em defesa dos blocos afros de Salvador

Olodum_Festival-da-Virada-2017_Fot-Bruno-Concha_Secom_Pms

Sílvio Humberto vê desvalorização nos valores pagos às entidades baianas

O Vereador Sílvio Humberto (PSB) chamou a atenção para a forma como os blocos afros mais tradicionais da cidade foram tratados durante o Festival da Virada, evento realizado pela Prefeitura para celebrar a passagem do réveillon. O parlamentar, que é economista, pontuou que a soma dos cachês pagos aos seis blocos afros que participaram do Festival foi de (R$ 255 mil), valor pago a uma única artista da chamada Axé Music. A cantora Claudia Leitte se apresentou por R$ 250 mil. Artistas de outros estados receberam valores ainda maiores: Marília Mendonça e a dupla Jorge e Mateus levaram R$ 400 mil, cada.

“Que existe uma relação diferenciada quando se fala da cultura negra ou local, em relação a artistas de outros estados, todos sabemos. Mas isso se torna mais grave em grandes festas como o Carnaval ou o próprio Festival da Virada”, destacou Sílvio. Essa discrepância já foi notícia, quando, em 2011, o cantor Chico César, então secretário de Cultura da Paraíba, disse que não contrataria somente bandas famosas para o São João, tendo como argumento a valorização da cultura e artistas locais.

“A disparidade no pagamento entre artistas de outros segmentos e os grupos culturais negros é um problema antigo”, ressalta o vereador, apontando os valores pagos a outras atrações. “A banda mineira Skank e os sertanejos Gustavo Lima, e Matheus e Kauan receberam R$ 230 mil, R$ 220 mil e R$ 200 mil, respectivamente, quase superando individualmente todas as entidades negras de Salvador juntas”, destacou.

SH - CopiaDesvalorização – O legislador apontou ainda, que a banda Jota Quest (R$ 170 mil), sozinha, superou o Olodum, banda negra que mais levou o nome da Bahia para o exterior, o Ilê Aiyê e os Filhos de Gandhy. E que a dupla Rafa e Pipo levou R$ 40 mil do festival. “Eles receberam o mesmo valor pago aos dois mais antigos blocos negros da capital (Ilê Aiyê e Filhos de Gandhy). Algo precisa ser revisto”, concluiu.

Para Sílvio, os valores pagos podem até mostrar o suposto retorno midiático dado por cada um dos artistas. Mas mostram também as discrepâncias e a desvalorização histórica das manifestações artísticas e culturais negras em Salvador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s