Roda de conversa expõe marcas de relacionamentos abusivos

IMG_20180427_181156150_LL

Debate finalizou campanha realizada neste mês de abril

A campanha virtual ‘Relacionamento Abusivo e suas Inúmeras Facetas’, realizada pela Secretaria de Mulheres do Partido Socialista Brasileiro (PSB), ao longo deste mês de abril, foi finalizada nesta sexta-feira (27/04), na Sociedade Protetora dos Desvalidos (SPD), no Pelourinho. O auditório do espaço foi o palco para depoimentos cortantes e esclarecedores. As participantes falaram sobre as dores causadas por experiências vividas em relacionamentos que as vitimaram. Mas também contaram histórias de superação e de autoconhecimento.

A ex-diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Bahia (Sinttel-Ba), Tereza Santos, falou sobre a angústia de viver um relacionamento abusivo. “A violência psicológica coloca a mulher numa situação tão sufocante que somente ela e o agressor sabem. Há muita sutileza envolvida”, declarou. Tereza alertou também para a necessidade de ficar atenta aos sinais. “Ciúmes, controle e opressão não podem ser confundidos com amor”, advertiu Tereza.

A campanha e a sua culminância, com a roda de conversa, tinham como objetivo esclarecer as mulheres sobre as sutilezas deste tipo de situação e contribuir com o enfrentamento à violência e ao feminicídio. A ação, que contou com o apoio do vereador Sílvio Humberto (PSB), foi divulgada através de sites e páginas em redes sociais do partido, de parlamentares e de apoiadores da causa. A ideia, segundo a secretária Municipal de Mulheres do PSB, Daniela Santos, idealizadora do projeto, “é combater o machismo e as suas manifestações. Não podemos ficar paradas diante deste cenário. Precisamos nos movimentar e esta campanha responde a esta necessidade”, assinalou.

IMG_20180427_192225811_LLDiscussão – A mesa de debate do evento contou com as participações das psicólogas Stael Machado e Tainan Purificação, além do estudante de Psicologia, Abreu Sales. A falta de autoconhecimento foi o ponto destacado por Stael, como o principal fator para o “aprisionamento” de mulheres em relações violentas. “Trato de inúmeros casos deste tipo. A falta de condição das mulheres de se autoafirmarem e de se aceitarem é um aspecto determinante”, argumentou a especialista.

Tainan realizou uma dinâmica com as participantes, levantando questionamentos sobre os seus relacionamentos. O resultado foi a explicitação de muitos abusos nas relações. Larissa Souza, uma das envolvidas na atividade, defendeu que nenhuma mulher vive este tipo de situação por escolha. Para ela, é preciso tentar entender o lugar da vítima. “Somente com a ajuda de um especialista se é possível superar o trauma”, assinalou.

A assistente social e jornalista, Claudia Correia, apontou caminhos para o futuro. “Estamos construindo mudanças nas lógicas que regem as relações. Temos que continuar e intensificar esta luta”, conclamou. De volta com a palavra, Stael Machado finalizou o encontro declamando a poesia ‘Aviso da Lua que Menstrua’, da poetisa Elisa Lucinda. “Moço, cuidado com ela! Há de se ter cautela com esta gente que menstrua”.

Debate coleta novas contribuições para Estatuto da Igualdade Racial

25-04-2018_Debate_do_Estatuto_da_Igualdade_Racial__2018425194814721702

 Documento foi discutido em audiência pública na Câmara Municipal

A quinta audiência pública para a formulação final do Estatuto Municipal da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa foi realizada na última quarta-feira (25/04), no auditório do Centro de Cultura da Câmara Municipal de Salvador. O debate foi aberto pelo presidente da Comissão de Reparação da Câmara, vereador Moisés Rocha (PT), e conduzido pelo relator do Projeto de Lei (PL) nº 549/13, vereador Sílvio Humberto (PSB).

Sílvio fez um breve histórico da tramitação do documento na Casa Legislativa e explicou o processo de elaboração desenvolvido pela Comissão. Apresentou o quantitativo de propostas colhidas nas audiências anteriores, destacando exemplos, como o da criação de cotas para Albinos e para pessoas em situação de rua nos concursos públicos municipais. “O Estatuto tem sido aprimorado neste processo de construção coletiva, onde os beneficiários das políticas estão apontando as ausências e colaborando no fortalecimento da proposta”, declarou o parlamentar.

A dinâmica da discussão contou com a participação de expositores, que divididos por capítulos, apresentaram as suas colaborações. O professor e ex-secretário estadual de Promoção da Igualdade Racial, Elias Sampaio, destacou o acúmulo registrado ao longo da construção dos estatutos anteriores, ressaltando os aspectos positivos deste processo. O advogado e assessor Legislativo da Câmara, Leonardo Queiroz, defendeu a importância do engajamento dos públicos de interesse e conclamou a juventude a participar. “Não podemos ficar alheios a este processo. Este é o nosso tempo. Esta é a nossa hora”, bradou.

Contribuições – A autora da proposta original do Estatuto Municipal, a ex-vereadora Olívia Santana (PCdoB), também participou do debate. Para ela, a cidade de Salvador carece deste instrumento “urgente e tardio”. Olívia apontou, ainda, a necessidade de atualização do PL em relação à proposta inicial. “É um imperativo para a adequação do Estatuto ao tempo que estamos vivendo”, ressaltou. Complementaram a mesa, os vereadores Hilton Coelho (Psol) e Luiz Carlos Suíca (PT), além do presidente estadual do Psol, Fábio Nogueira.

Diversas novas contribuições foram coletadas e o relator concordou com a autora original do Projeto. “O objetivo é construir um estatuto o mais avançado possível, tendo em vista que o PL ainda precisa ser debatido na Câmara, com os demais vereadores”, pontuou. O legislador chamou a atenção para o fato de que a primeira tentativa de aprovação do Estatuto o levou ao arquivamento. “Precisamos afinar o documento e o discurso para o convencimento dos nossos pares no Plenário”, alertou.

 

Sessão Especial homenageará criador da dança afro: Mestre King

Sessão Especial Mestre King - divulgação

“A Bahia e o Brasil devem muito a esse grande Mestre”, diz o autor da homenagem

Na primeira quarta-feira do mês de maio (02), a Dança da Bahia será homenageada. É isso que representa a saudação ao bailarino, coreógrafo e professor de dança, Raimundo Bispo dos Santos, o Mestre King, falecido no dia 13 de janeiro (1943-2018). A Sessão Especial é uma iniciativa do vereador Sílvio Humberto (PSB), e será realizada às 19h, no Plenário Cosme de Farias, da Câmara Municipal de Salvador.

“Será uma homenagem à vida do Mestre King, à sua carreira artística, à enorme contribuição que deu ao nosso estado, formando bailarinos reconhecidos mundialmente, e à dança afro-brasileira, criada e difundida pelo mundo por este inigualável professor”, justifica o autor da honraria. Dançarinos de toda a Bahia e de diversas partes do Brasil se encontrarão nesta noite para celebrar a vida e a arte do Mestre King.

Mestre King - divulgação

O bailarino foi o primeiro homem a ingressar no curso de licenciatura em Dança, pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), em 1976. Também se especializou em Coreografia, pela mesma instituição. King elaborou mais de 100 coreografias e foi o responsável pela formação de nomes consagrados na dança brasileira, como Zebrinha, Augusto Omolu, Armando Pequeno entre outros.

O baiano da pequena cidade de Santa Inês veio morar em Salvador aos sete anos de idade e se aproximou da arte através da capoeira. King ultrapassou a marca dos 50 anos dançando, coreografando e ensinando. “Eu durmo, eu como, eu respiro a dança. Hoje eu sou o que sou graças a dança”, disse King, durante uma entrevista num programa de TV. “A Bahia e o Brasil devem muito a esse grande homem, a esse verdadeiro Mestre. Portanto, é mais que justa a celebração à sua vida”, arrematou Sílvio Humberto.

SERVIÇO

O que: Sessão Especial em Homenagem ao Mestre King;

Quando: Quarta-feira (02/05), às 19h;

Onde: Plenário Cosme de Farias – Câmara Municipal de Salvador – Praça Thomé de Souza, s/nº, Centro – Salvador/Bahia;

Informações: (71) 3320-0401 – Gabinete do vereador Sílvio Humberto.

Vereador repudia descaso da Prefeitura de Feira de Santana com afoxés

Sílvio Humberto - Ascom_

Sílvio Humberto se solidariza com entidades que estão fora da Micareta

“O desrespeito com as nossas tradições e com a nossa cultura é uma das marcas mais perversas do racismo”. Com estas palavras, o vereador de Salvador, Sílvio Humberto (PSB), repudiou o descaso da Prefeitura Municipal de Feira de Santana com os tradicionais afoxés Toriefan e Pomba de Malê, que já anunciaram em carta aberta a ausência no desfile da Micareta deste ano.

Os motivos alegados pelas agremiações foram a extinção do Circuito Quilombola, a falta de apoio do Município e o horário destinado para a passagem das entidades (das 08h às 13h). “São duas agremiações tradicionais do município, ambas com mais de trinta anos de atuação. Como a gestão municipal pode deixar de fora da festa, afoxés desse porte”, questionou Sílvio, que além de vereador é militante histórico do movimento negro baiano e fundador do Instituto Cultural Steve Biko, entidade responsável pelo ingresso de centenas de jovens negros na universidade.

Para o parlamentar, o cenário é semelhante ao que acontece em Salvador e em todo o País. “Basta olhar a programação da festa e ver os milhões que são gastos com atrações que nada tem a ver com a nossa cultura”, reclamou. O legislador comparou o ocorrido com o que acontece na capital. “Temos denunciado sistematicamente o desrespeito com as nossas entidades. Somente este ano, tivemos situações semelhantes no réveillon e no Carnaval”, pontuou.

Discrepâncias – O vereador relatou que a soma dos cachês pagos aos seis blocos afros que participaram do Festival da Virada de Salvador (R$ 255 mil), foi equivalente ao pagamento de uma única artista da chamada Axé Music. A cantora Claudia Leitte se apresentou por R$ 250 mil. Artistas de outros estados receberam valores ainda maiores: Marília Mendonça e a dupla Jorge e Mateus levaram R$ 400 mil, cada.

Rafa e Pipo levaram R$ 40 mil do festival. Mesma soma paga aos dois mais antigos blocos negros da capital. “Estes valores mostram o suposto retorno midiático dado por cada um dos artistas. Mas mostram também as discrepâncias e a desvalorização histórica das manifestações culturais negras na nossa cidade”, concluiu Sílvio.

Estatuto Municipal da Igualdade Racial passa por última revisão pública

WhatsApp Image 2018-04-18 at 17.18.16

Projeto de Lei será debatido em audiência, nesta quarta-feira (25/04)

Depois de passar por quatro audiências públicas no ano passado e acolher contribuições de diversos setores da sociedade, o Projeto de Lei nº 549/13, que institui o Estatuto Municipal da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa, passará pela sua derradeira avaliação, antes de ser submetido ao plenário da Câmara Municipal de Salvador. Este último debate público será realizado no auditório do Centro de Cultura da Casa Legislativa (Praça Municipal), na próxima quarta-feira (25/04), a partir das 18h30.

A iniciativa é da Comissão de Reparação da Câmara, colegiado presidido pelo vereador Moisés Rocha (PT) e responsável pela formulação do documento. A relatoria do Projeto está a cargo do vereador Sílvio Humberto (PSB), que justificou a escolha da data do debate pela Comissão. “25 de abril, em Salvador, é o Dia Municipal das Ações Afirmativas. Esta é uma data simbólica para o movimento negro na capital, pois marca um conjunto de conquistas resultantes da nossa luta por igualdade”, explicou o parlamentar, que é autor do projeto que instituiu a celebração.

Apresentado originalmente pela ex-vereadora Olívia Santana (PCdoB), a proposição foi resgatada pela Comissão de Reparação e passa pelo escrutínio público. “Fizemos escutas em locais e momentos distintos da cidade, e coletamos colaborações muito importantes para o enriquecimento do Estatuto. Chegou o momento de apresentarmos o seu estado atual e de fecharmos o Projeto com as últimas contribuições”, esclareceu Sílvio. Segundo ele, a sequência do processo é a apreciação pelo colegiado e a apresentação ao plenário da Câmara.

A Comissão de Reparação está divulgando a minuta do Estatuto com antecedência, para que os interessados em contribuir com o documento possam ter acesso ao Projeto de Lei, antes do debate na audiência pública. A proposta atual está disponível no endereço: https://goo.gl/WJmRME.

SERVIÇO

O que: Audiência pública para debater o Estatuto Municipal da Igualdade Racial e de Combate à Intolerância Religiosa;

Quando: Quarta-feira (25/04), a partir das 18h30;

Onde: Auditório do Centro de Cultura da Câmara Municipal de Salvador – Praça Thomé de Souza, s/nº, Centro;

Realização: Comissão de Reparação da Câmara Municipal de Salvador.

Sílvio Humberto parabeniza novo secretário da Secti

Sílvio Humberto_Rodrigo Hita - Ascom

O vereador Sílvio Humberto (PSB) protocolou um registro na Câmara Municipal, nesta terça-feira (17/04), parabenizando o dirigente estadual do seu partido, Rodrigo Hita, pela nomeação para o cargo de secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), pasta da qual era chefe de Gabinete. Sílvio desejou boa sorte e sucesso ao correligionário, e destacou a sua reconhecida capacidade para a realização de um excelente trabalho.

Aos 34 anos, Rodrigo Hita, acumula diversas experiências na vida pública. Ele foi chefe de gabinete da senadora Lídice da Mata, quando a mesma era deputada federal, depois, já no governo Rui Costa, assumiu o comando da Superintendência de Defesa Civil. No ano passado, se tornou chefe de Gabinete da Secti, até ser nomeado como novo secretário. Hita é suplente de deputado estadual pelo PSB, desde a eleição de 2014.