Comissão de Reparação realiza audiência pública no Alto da Sereia

1_2018619183932663220

Vereador Sílvio Humberto presidiu atividade que debateu a situação dos imóveis

A Comissão de Reparação da Câmara de Salvador realizou, na noite desta terça-feira (19/06), uma audiência pública para debater a situação de moradores do Alto da Sereia, comunidade situada no bairro do Rio Vermelho, local onde sete residências foram interditadas por risco de desabamento e podem vir a ser demolidas. A atividade, dirigida pelo vereador Sílvio Humberto (PSB), ocorreu na capela da Igreja Nossa Senhora dos Navegantes.

“Não podemos tomar determinadas atitudes sem ouvir os principais interessados. Devemos escutar a comunidade para encontrar a melhor solução técnica e que atenda também aos interesses coletivos. Infelizmente, neste caso, a política é que escolhe a técnica. Ou se opta pelo mais fácil, que é demolir tudo ou deixa como está. O ideal é que se decida gastar mais um pouco e atender a coletividade”, afirmou Sílvio Humberto.

De acordo com a ex-vereadora e ex-secretária  estadual do Trabalho, Olívia Santana, “a Câmara Municipal acertou ao trazer a Prefeitura e representantes de órgãos públicos para debater a situação da comunidade”.

“Os moradores não podem ficar nessa situação de desabrigo, sem saber o que pode acontecer e sem perspectiva. Esta audiência é importante para planejar soluções técnicas para o grave problema social. Precisamos entender que a política só tem sentido se for um instrumento de transformação da vida das pessoas”,  destacou Olívia.

A líder comunitária Maria Ivaldina disse que os moradores da região do Alto da Sereia se preocupam com o destino das casas interditadas. “Ficamos tristes por saber da possibilidade de demolição. Recebemos atualmente R$ 300 de aluguel social da Secretaria Municipal de Promoção Social. O valor é insuficiente para buscar um outro lugar. Não sabemos por quanto tempo receberemos o auxílio”, declarou Maria Ivaldina.

Desabamento – No último dia 07 de junho, sete casas da comunidade foram interditadas pela Defesa Civil de Salvador (Codesal), depois que uma delas desabou parcialmente. De acordo com o engenheiro civil da Codesal, José Roberto Casqueiro, o terreno da região é argiloso e sofre ação da maré e do sobrepeso das construções. “Está sendo feita uma sondagem do solo por equipes da Defesa Civil, para determinar a melhor solução”, afirmou o engenheiro.

Também fizeram parte da mesa da audiência, o superintendente estadual de Desenvolvimento do Trabalho, Alexandro Reis; a ouvidora-geral da Defensoria Pública do Estado, Vilma Reis; o diretor de Habitação e Urbanização Integrada da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder), Deusdete de Brito; o representante da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas, Leandro Santos; o líder comunitário, Charles Ribeiro e a moradora da comunidade do Alto da Sereia, Rosa Lima.

*Com informações da Secom da Câmara Municipal